Capela dos Ossos

Arquitectura religiosa, barroca. Capela de ossos, dedicada às Almas do Purgatório, de nave única com entrada travessa, cobertura em abóbada de nervuras disposta em dois tramos e iluminada por janelão frente ao altar-mor. Teatralização da morte característica do período pós-tridentino, afirmando o dogma da existência do Purgatório. Filia-se no tipo da capela dos Ossos de São Francisco de Évora (v. PT040705210017) com explorando as potencialidades decorativas e espaciais das ossadas.

Localização

Planta longitudinal simples. Fachada principal a S., de dois registos definidos por moldura envolvente e pano único delimitado por pilastras de alvenaria muito pouco salientes com mísulas relevadas de estuques marcando os diferentes registos; inferiormente rasgam-se duas portas, à esquerda, de vergas rectas e molduras de alvenaria e, à direita, uma janela, gradeada, de verga curva sobrepujada por frontão de estuques desehando ornatos vegetalistas e no vértice uma flor de liz; entre a verga e o frontão a inscrição pintada ” CAPELA DOS OSSOS – 1766 “; superiormente rasgam-se ao nivel da cornija de remate três janelas de vergas curvas e intradorso moldurado, a central mais estreita, com molduras de alvenaria, parapeitos salientes e frontões contracurvados com tímpanos decorados no centro de elmentos vegetalistas em estuque; entre a a moldura que define os dois registos da fachada e os parapeitos das janelas desehan-se em estuque três cartelas quadragulares relevadas. Fachafa lateral E. com disposição idêntica de registos e panos, tendo no registo inferior três janelas, duas delas ( as da esquerda ) entaipadas e a terceira semi-entaipada; possuem molduras de alvenaria e vergas curvas ( excepto a terceira de verga recta ) com marcação da chave em ornato de estuque; a janela central tem frontão de estuque de ornatos vegetalistas; no registo superior rasgam-se 5 janelas idênticas às da fachada principal, as dos extremos entaipadas. Fachada O. e N. adossadas. INTERIOR: o acesso é feita por porta travessa a O..Nave única com cobertura em abóbada de aresta de nervuras, de dois tramos, de perfil abatido; arco toral descarregando sobre pilastras pavimento cerâmico firmando padrão geométrico polícromo, verde, amarelo, vermelho e vermelho sangue de boi. Alçados, cobertura e elementos estruturais totalmente revestidos a ossadas e crânios; embasamento envolvente saliente revestido por crânios. Alçados laterais de dois panos definidos pela pilastra do arco toral; do lado do Evangelho no 1º tramo retábulo desenhado pela disposição horizontal das ossadas intervaladas de crânios que formam o arco da verga do nicho no qual se insere um esqueleto; no 2º tramo a porta de acesso com ombreiras totalmente revestidas de ossadas e 4 degraus; do lado da Epístola dois retábulos semelhantes. Altar-mor com frontal revestido de caveiras expondo-se num nicho envidraçado um crucifixo; na parede oposta rasga-se janelão axial com ombreiras e verga em capialço revestidas de ossadas e desenhando inscrições.

Urbano, meia-encosta. Em pleno centro histórico, abre para o largo calcetado da Igreja Matriz ( v. 1204010005 ) que lhe fica O., fronteira à sua fachada lateral esquerda; constitui o piso térreo de edifício paroquial adossado à Matriz, de planta rectangular e dois pisos, com fachadas caiadas e relevadas de estuques, ao nível das vergas e parapeito das janelas de vergas contrscurvadas sobrepujadas de frontões recortados; o edifício apresenta cobertura homogénea em telhado de 2 águas que marcas a empena dos alçados menores. A E. ficam a Praça da República ( v. 1204010028 ), o Pelourinho ( v. 1204010001 ) e os Paços Municipais ( v. 1204010020 ).

IPA: Monumento

N.º IPA: 1204010014

Designação: Capela dos Ossos / Capela das Almas

Localização: Portalegre, Campo Maior, Nossa Senhora da Expectação

Acesso: Lg. Dr. Regala

Protecção: Incluído na Zona de Protecção da Igreja Matriz ( v. 1204010005 )

1732, 16 Setembro: Explosão do paiol do Castelo ( v. 1204030002 ) ficando este e a Vila severamente danificados;

1766: Construção da Capela com ossadas de cerca de 800 das vítimas da explosão;

Séc. 20: Colocação de pavimento.

Tipologia
Arquitectura religiosa, barroca. Capela de ossos, dedicada às Almas do Purgatório, de nave única com entrada travessa, cobertura em abóbada de nervuras disposta em dois tramos e iluminada por janelão frente ao altar-mor. Teatralização da morte característica do período pós-tridentino, afirmando o dogma da existência do Purgatório. Filia-se no tipo da capela dos Ossos de São Francisco de Évora ( 0705210017 ) com explorando as potencialidades decorativas e espaciais das ossadas.

Características Particulares
É a segunda maior capela de ossos portuguesa, a seguir a da Igreja de São Francisco de Évora ( 0705210017 ). Memória do acontecimento trágico que vitimou c. de 2/3 da população da vila e que ainda hoje, ao contrário da maioria das suas congéneres, move fiéis.

Dados Técnicos
Paredes autoportantes

Materiais
Alvenaria rebocada e caiada, ossos, tijoleira.

VELOSO, Carlos, As Capelas de Ossos em Portugal. “Speculum mortis” no espectáculo do Barroco, Coimbra, Minerva, 1993;

MATOS, Jorge Manuel Marques de, Igrejas e Capelas de Campo Maior, Campo Maior, Paróquia de Campo Maior, 1995.

Utilização Inicial
Cultual: Capela de Ossos

Utilização Actual
Cultual: Capela de Ossos

Propriedade
Privada: Igreja Católica

Época de Construção
Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor
Desconhecido

Intervenção Realizada
Paróquia de Campo Maior: Séc. 20 – colocação de pavimento.

Autor e Data
Helena Mantas e Marta Gama 2002 / Rosário Gordalina 2004

Fonte: Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais

Aberto todos os dias

Telefone: 268 686 168
e-mail: paroquia_cmaior@hotmail.com

Instituição Responsável
Diocese de Évora
E-mail: diocese@diocese-evora.pt

Paróquia de Campo Maior
L. Dr. Regala, n.º 6
7370-047 CAMPO MAIOR

, , ,